(12) 3133-1969 • (12) 99617-1537 • contato@heloisabazzarelli.com.br

DICAS

A nebulização é uma técnica muito valiosa para o tratamento de asma. No entanto, é preciso usá-la corretamente para conseguir melhores resultados.
O que é CERTO fazer:
• Prefira os modelos tradicionais de nebulizadores a jato em vez dos ultra-sônicos.
• Procure tranquilizar a criança para não assustá-la.
• Obedeça à dosagem do remédio indicada pelo médico.
• A pessoa deve estar sentada corretamente: mantendo as costas eretas e com a boca bem aberta. Crianças pequenas devem ser colocadas no colo.
• Utilize a máscara ou bocal próprios de plástico ou de vidro. Os bocais são mais apropriados que as máscaras.
• Esterilize sempre o material após o uso: Não basta lavá-lo! Guarde o material bem seco.
O que é ERRADO fazer:
• Não deixe a criança sozinha durante a nebulização: assim é possível avaliar se está fazendo corretamente.
• Não use grandes volumes de soro fisiológico no preparo da nebulização.
• Não converse durante a nebulização.
• Nunca nebulize com a criança deitada, dormindo, usando chupetas ou com a boca fechada.
Instruções para realizar uma nebulização correta:
• Colocar a medicação na dose indicada pelo médico em recipiente próprio.
• Usar soro fisiológico como diluente, num volume médio de 2ml.
• Posicionar a máscara ou o bocal, com a boca aberta.
• Respirar lenta e profundamente, mantendo a boca aberta durante o processo de nebulização (5 a 10 minutos, aproximadamente)
• Após o uso, desmontar o micronebulizador, lavá-lo com detergente neutro e depois deixa-lo de molho por 30 minutos em solução germicida ou em solução caseira com hipoclorito de sódio a 2% (500ml de água sanitária comercial, misturados com 500ml de água filtrada ou fervida). Atenção: essa solução caseira só pode ser utilizada uma vez, não devendo ser reaproveitada.
• Após ficar de molho por 30 minutos, o micronebulizador deve ser lavado normalmente com bastante água corrente (coloque-o sob o jato da torneira por alguns minutos).
• Secar bem antes de guardar.
• Em 20 minutos: A pressão arterial e os batimentos cardíacos retornam ao normal.
• Em 8 horas: os níveis de monóxido de carbono retornam ao nomal.
• Em 1 dia: redução do risco de ataques cardíacos.
• Em 3 dias: relaxamento dos brônquios e aumento da capacidade respiratória.
• De 2 a 12 semanas: melhora a circulação.
• De 1 a 9 meses: redução da tosse e infecções das vias aéreas, melhora da respiração e limpeza dos pulmões e melhora da capacidade física.
• Em 1 ano: redução do risco de doença coronariana em 50%.
• De 10 a 15 anos: o risco de morte por doença coronariana iguala-se ao de uma pessoa que nunca fumou.
• De 15 a 20 anos: o risco de câncer aproxima-se do risco de uma pessoa que nunca fumou.
Recomendações para manter os ambientes limpos e evitar crises alérgicas:
• Manter os ambientes sempre secos e arejados evitando, assim, o desenvolvimento de bolores ou mofo.
• Aspirar o pó dos ambientes, pelo menos duas vezes por semana. O mesmo deve ser feito com os colchões (ambas as faces), almofadas, travesseiros, estrados de camas, etc.
• Trocar os lençóis e fronhas duas vezes por semana. Usar lençóis e fronhas de algodão.
• As roupas devem ser passadas com ferro quente.
• Colchões, travesseiros, estofados, roupas pesadas de uso eventual (como casacos, ternos e malhas), devem ser expostos ao sol, por 3 a 4 horas, semanalmente.
• Os tapetes, carpetes e cortinas de tecidos pesados devem ser evitados em locais utilizados por pacientes alérgicos.
• Evitar contato com perfumes, repelentes de insetos, cheiros fortes, produtos de limpeza e fumaça de qualquer espécie.
MITO: Asma e Rinite são doenças contagiosas.
VERDADE: Não. Asma e Rinite são doenças alérgicas. Os asmáticos assim como os pacientes com Rinite possuem uma condição genética que determina uma reação exagerada a determinados estímulos, causando os sintomas. Assim, as crises resultam da interação entre esse predisposição genética e a atuação dos chamados "desencadeantes", como poeira, ácaros, mofo, entre outros.
MITO: Paciente com Asma e Rinite não podem praticar esporte.
VERDADE: Quando controlados das crises, pacientes podem e devem praticar esportes. Os esportes de maneira geral, em especial os aeróbios, contribuem para a melhora da qualidade de vida de indivíduos portadores de doenças alérgicas ou não."Procure uma atividade a que se adapte sempre com orientação médica".
MITO: Gestantes não podem utilizar remédios para tratar a Asma e Rinite.
VERDADE: Somente o médico pode orientar uma gestante e receitar ou não o uso de medicamentos. Como em alguns casos, a utilização de medicamentos permitem que a mãe respire melhor e forneça oxigênio adequadamente ao feto, apenas o médico é que pode avaliar os riscos e benefícios da medicação conforme perfil do paciente.
MITO:A Rinite é um resfriado que nunca sara.
VERDADE: Embora possuam sintomas similares, a Rinite é uma doença alérgica e inflamatória que pode se tornar crônica. Ao notar os sintomas, procure um especialista pois somente ele poderá avaliar o quadro clínico e recomendar o melhor tratamento individualizado.
MITO: Rinite e Asma são doenças diferentes.
VERDADE: Rinite e Asma são doenças distintas mas que impactam uma via aérea comum afetando a qualidade de vida do paciente. Algumas manifestações alérgicas impactam as vias aéreas superiores (obstrução nasal, espirro, coceira) enquanto outras afetam diretamente as vias aéreas inferiores em especial o pulmão (falta de ar, tosse, chiado)
MITO: Asma e Rinite tem cura
VERDADE: Não existe cura e sim tratamento. Através de um tratamento adequado, as crises ocorrem com menos frequência e quando ocorrem são mais leves e com menor intensidade. Tanto a Asma quanto a Rinite são doenças importantes e devem ser tratadas desde cedo. Além de evitar o risco de crises mais agudas, existem diversos tipos de tratamentos e medicamentos específicos. Apenas o seu médico é capaz de detectar o nível e gravidade da doença, orientar pacientes e familiares e acompanhar a evolução de seu tratamento periodicamente.
SINTOMAS GRIPE COMUM INFLUENZA A
Febre Não chega a 39º Início súbito a 39º
Dor de Cabeça De menor intensidade Intensa
Calafrios Esporádico Frequentes
Cansaço Moderado Extremo
Dor de Garganta Acentuada Leve
Tosse Menos Intensa Seca e contínua
Muco (catarro) Forte e com congestão nasal Pouco comum
Dores Musculares Moderado Intenso
Ardor nos Olhos Leve Intenso

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Organização Mundial da Saúde